Reflexos na água

Tempo de leitura: 3 minutos

Reflexos na água

Aquarela e acrílica sobre papel de José Mianutti

A água é um dos elementos da natureza que mais fascinam e, ao mesmo tempo, mais desafiam os artistas. Dependendo da maneira como se movimenta ou como reflete a luz, a água oferece os mais diversos espetáculos visuais. Não é fácil reproduzi-los, mas observando algumas regras básicas, você poderá alcançar resultados bastante satisfatórios.

Antes de mais nada, observe que o comprimento de um reflexo varia conforme a direção em que se inclina o objeto refletido. Assim, se este se inclina na sua direção, o reflexo será mais comprido; se estiver inclinado para o lado contrário, o reflexo será mais curto. Quanto mais acentuada for a inclinação, maior a diferença de comprimento; se não houver inclinação, o objeto e o reflexo terão o mesmo comprimento.

Note também que os reflexos sempre se inclinam para o mesmo lado e no mesmo ângulo que os objetos. Um objeto inclinado para a esquerda, por exemplo, tem seu reflexo para este lado. Um objeto na posição vertical é refletido para baixo.

Aquarela e acrílica sobre papel de José Mianutti

Em geral, pensa-se erroneamente que os reflexos mostram o objeto de ponta-cabeça. Na verdade, eles são imagens em espelho, que, se a água estiver calma, podem mesmo revelar partes do objeto invisíveis, de outra forma, para o espectador.

Na água tranquila, os reflexos são diretos, e sua reprodução apresenta menores dificuldades. Muitas vezes, para dar ideia de profundidade, você terá de usar as leis da perspectiva. Neste caso, lembre-se de que tanto os objetos quanto seus reflexos vão perdendo a nitidez à medida que se distanciam do observador.

Na água agitada, os reflexos interrompem-se em múltiplas ondulações. Para reproduzi-los, você terá necessariamente de aplicar as leis da perspectiva. Note que os reflexos parecem maiores e mais espaçados quando estão perto do observador, e menores e mais juntos quando vistos ao longe. Na base do objeto refletido, transformam-se em massa densa.

Da mesma forma, ao aproximar-se da água agitada, você pode ver o contraste entre as depressões escuras e os picos luminosos, criados pelas ondulações. Ao afastar-se, não enxerga as depressões e tem a impressão de que os picos se fundem numa só massa brilhante.

Aquarela de José Mianutti

O reflexo pode ser claro ou escuro, dependendo da posição do sol. Se este incide sobre a água e o objeto está na sombra, o reflexo é mais claro que o objeto; se, ao contrário, o sol incide sobre este, o reflexo é mais escuro.

As core são ligeiramente mais escuras nos reflexos que nos objetos. Contudo, os reflexos de objetos negros costumam apresentar-se mais claros, pois são modificados pela transparência e pela cor da água.

A água e a luz estão em constante movimento, o que altera sua aparência e também a de seus reflexos. Observe a água de diversos pontos, em diferentes horas do dia, para constatar a amplitude dessas variações.

Antes de tentar reproduzir reflexos, é preciso treinar bem os olhos, para selecionar os mais significativos. Ao pintar ou desenhar, trabalhe com rapidez e despreze os detalhes menos importantes, pois o que você vê está em constante mudança. Indique a direção geral dos principais reflexos, em seguida, acrescente as massas tonais mais escuras e complete o trabalho com gradações mais claras.

http://www.udemy.com/pintura-em-aquarela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *