Francis Bacon: a brutalidade dos fatos

Tempo de leitura: 4 minutos

Francis Bacon
Francis Bacon em Raincoat, c.1967.

O pintor Francis Bacon é mais conhecido por suas pinturas Pós-Segunda Guerra Mundial, nas quais ele representava a figura humana em um estilo expressivo e muitas vezes grotesco.

Francis Bacon nasceu de pais ingleses estabelecidos em Dublin, na Irlanda, em 28 de outubro de 1909. Depois de viajar para a Alemanha e a França ainda jovem, ele se estabeleceu em Londres e começou sua carreira como artista autodidata. 

A maioria de suas pinturas das décadas de 1940 a 1960 retrata a figura humana em cenas que sugerem alienação, violência e sofrimento. O trabalho provocativo e expressivo de Bacon é considerado uma das artes mais importantes da era pós-guerra. Ele morreu em Madri, Espanha, em 28 de abril de 1992.

Início da vida e carreira artística

Francis Bacon é descendente colateral e homônimo do famoso filósofo do século XVI a XVII . Bacon foi criado na Irlanda e na Inglaterra e, quando criança, sofria de asma, o que o impedia de receber educação formal. Em vez disso, ele foi tutelado em casa.

Bacon foi expulso de casa em 1927 com apenas 16 anos, pelo fato de seus pais não aceitarem sua homo sexualidade. Ele viajou para Berlim, Alemanha, onde participou da vida noturna gay da cidade, bem como de seus círculos intelectuais; e de Paris, França, onde se interessou mais pela arte através de visitas a galerias. 

Quando Bacon retornou a Londres no final da década de 1920, ele começou uma curta carreira como decorador de interiores, também projetando móveis e tapetes em um estilo moderno, influenciado pela Art Deco. Além disso, ele começou a pintar, primeiro em um estilo cubista influenciado por Pablo Picasso e depois de maneira mais surrealista. 

O trabalho autodidata de Bacon atraiu interesse e, em 1937, ele participou de uma exposição coletiva em Londres intitulada “Jovens Pintores Britânicos”.

Francis Bacon
Francis Bacon. Crucificação. Óleo sobre tela. 1933.

Pinturas de Francis Bacon dos anos 40 e 50

Mais tarde, Francis Bacon datou o verdadeiro início de sua carreira artística em 1944. Foi nessa época que ele se dedicou à pintura e começou a criar as obras pelas quais ainda é lembrado, como Três estudos para figuras na base de uma crucificação, visto como um marco em sua carreira. 

Suas grandes telas mostravam figuras humanas – na maioria das vezes uma única figura isolada em uma sala vazia, em uma gaiola ou contra um fundo preto. 

Para uma série de pinturas, Bacon foi inspirado pelo retrato de Diego Velázquez do Papa Inocêncio X (por volta de 1650), mas ele pintou o assunto em seu próprio estilo, usando cores escuras e pinceladas ásperas e distorcendo o rosto do assistente. Essas obras vieram a ser conhecidas como as pinturas de “papa gritando” de Bacon.

Francis Bacon
Francis Bacon. Estudo do retrato do Papa Inocêncio X de Velázquez. Óleo sobre tela. 1953.

Em outras obras, uma figura pode ficar ao lado de uma carcaça esfolada de carne. Ainda outras pinturas foram derivadas de assuntos religiosos tradicionais. Em todas as suas pinturas, Bacon enfatizou as experiências universais de sofrimento e alienação.

Arte e Vida depois de 1960

Mesmo durante um período em que a arte moderna foi dominada pela abstração, Bacon continuou a pintar a figura humanas. Seu uso emocional de pinceladas e cores, bem como o exagero de suas formas, fizeram com que ele fosse rotulado como um artista expressionista, embora rejeitasse o termo.

Algumas das obras de Bacon dos anos 1960 retratam uma figura masculina solitária vestida em um terno. Outros mostravam figuras nuas, muitas vezes com proporções e feições grotescamente alteradas. 

Bacon usava cores mais brilhantes às vezes, mas temas de violência e mortalidade ainda eram centrais para sua arte. Ele também pintava frequentemente retratos de pessoas que conhecia, incluindo os colegas Lucian Freud, que também era pintor, e George Dyer – que conheceu Bacon ao tentar roubar sua casa.

Bacon e Dyer se tornaram amantes em um relacionamento marcado por um grande tumulto. Dyer chegou a denunciar Bacon por posse de drogas e mais tarde cometeu suicídio. Esta relação foi retratada no filme de 1998: Love Is the Devil: Estudo para um Retrato de Francis Bacon, estrelado por Derek Jacobi, Daniel Craig e Tilda Swinton).

Bacon, que era conhecido por seu bom gosto, manteve uma casa e um estúdio notoriamente desordenado em Londres, e continuou a pintar até o fim de sua vida. Enquanto estava de férias, ele morreu em Madri, na Espanha, em 28 de abril de 1992, aos 82 anos.

Francis Bacon
Francis Bacon. Três estudos para figuras na base de uma crucificação. Óleo sobre papelão. 1944.

ACESSE OS MEUS CURSOS DE DESENHO E PINTURA NO MENU LATERAL DO SITE OU NO MENU SUPERIOR. TODOS OS CURSOS SÃO VOLTADOS AOS INICIANTES!!!

INSCREVA-SE NO MEU CANAL DO YOUTUBE: http://www.youtube.com/mianutti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *